AGROTÓXICOS MATARAM CERCA DE 500 MILHÕES DE ABELHAS NO BRASIL

Atualizado: 5 de Jul de 2019


No início deste ano, foram noticiados a mortandade de abelhas no sul do Brasil por causa de agrotóxicos usados em plantações de soja. No Rio Grande do Sul, cerca de 80% das abelhas morrem por causa do agrotóxico fipronil, que é utilizado na lavoura da soja. O problema é ainda muito mais grave e extenso, o caso ainda continua, pois vem ocorrendo em outros estados do país.

Segundo a Agência Pública e o Repórter Brasil, cerca de 500 milhões de abelhas morreram, nos últimos três meses, em quatro estados brasileiros: 400 milhões no Rio Grande do Sul, 7 milhões em São Paulo, 50 milhões em Santa Catarina e 45 milhões em Mato Grosso do Sul.

Essa é a estimativa de associações de apicultura, secretarias de Agricultura e pesquisas realizadas por universidades. A causa do extermínio, de acordo com especialistas, é o contato da espécie com agrotóxicos à base de neonicotinoides e de Fipronil, que já está proibido na Europa há mais de uma década.

Os ingredientes contidos nesses agrotóxicos são letais para os insetos quando pulverizados, já que se espalham para além da área atingida.

O Fipronil é um inseticida que atua nas células nervosas dos insetos. Quando aplicado em pulverização aérea, as abelhas ficam diretamente expostas a ele. Uma pesquisa da Embrapa, feita em 2004, constatou que o método dispersa 19% do agrotóxico pulverizado para áreas fora da região de aplicação.

Já os agrotóxicos neonicotinoides têm a capacidade de se espalhar por todas as partes da planta. São usados em diferentes culturas: algodão, milho, soja, arroz e batata.

Fonte: Green Me



0 visualização