• Miguel Boente

PARAMÉDICOS MUÇULMANOS E JUDEUS ORAM JUNTOS POR SOLUÇÕES PARA CORONAVÍRUS


Quase não havia tempo para fazer uma pausa. Avraham Mintz e Zoher Abu Jama haviam acabado de responder a uma ligação de uma mulher de 41 anos com problemas respiratórios na cidade de Be'er Sheva, no sul de Israel.


Antes disso, eles estavam checando um homem de 77 anos. Haveria mais ligações pela frente. Disso, não havia dúvida.


Quando o relógio se aproximava das seis da tarde, Mintz e Abu Jama perceberam que talvez fosse o único intervalo do turno. Os dois membros do Magen David Adom (MDA), serviço de resposta a emergências de Israel, fizeram uma pausa para orar.


Mintz, um judeu religioso, estava de pé em frente a Jerusalém, seu xale branco e preto pendurado nos ombros. Abu Jama, muçulmano, ajoelhou-se diante de Meca, seu tapete marrom e branco de oração desenrolado debaixo dele.


Para os dois paramédicos, que rotineiramente trabalham juntos duas ou três vezes por semana, a oração conjunta não era novidade. Para muitos outros, era uma imagem inspiradora no meio da pandemia global de coronavírus.

Uma foto dos dois homens tirada por um colega de trabalho rapidamente se tornou viral, conquistando milhares de curtidas nas mídias sociais e aparecendo na cobertura da mídia internacional. Um usuário respondeu no Instagram: "Tenho orgulho de todos os serviços de resgate, não importa de que comunidade ou religião." No Twitter, outro usuário disse: "Uma luta! Uma vitória! Vamos nos unir".


"O fato de ser simples o torna tão poderoso. Acredito que Zoher e eu e a maioria do mundo entendemos que temos que levantar a cabeça e orar. Isso é tudo o que resta", disse Mintz à CNN. Pai de nove filhos, ele mora em Be'er Sheva, tem 42 anos e trabalha em período integral no MDA. Lá, Mintz treina voluntários. 


Abu Jama, pai de sete filhos da cidade beduína de Rahat, nas proximidades, foi um desses voluntários. Ele deixou seu emprego como instrutor de direção para ajudar o máximo possível agora. "Em termos de crença e personalidade, acreditamos nas mesmas coisas e temos algo em comum", disse à CNN. "Acredito que ele é uma pessoa que dá e recebe o sentimento de honra e isso é importante".


Em Israel, as equipes da MDA atenderam 100.000 ligações nos dias de pico, mais de 10 vezes o volume normal, de acordo com Zaki Heller, porta-voz da entidade.


Além do trabalho normal de paramédicos e paramédicos, as equipes da MDA são responsáveis ??por levar os pacientes com coronavírus ao hospital ou a hotéis de quarentena designados, realizando testes de coronavírus, coletando doações de sangue e muito mais. No início deste mês, eles até formaram assembleias de voto para os que estavam em quarentena.


O diretor-geral da MDA, Eli Bin, ficou orgulhoso ao falar sobre sua equipe, composta por 2.500 funcionários em período integral e 25.000 voluntários. "As pessoas do MDA estão enfrentando o vírus, olhando nos olhos. Os trabalhadores do MDA estão trabalhando com as mãos, luvas e máscaras", disse ele à CNN. "Nós somos os heróis de Israel."


Se Mintz e Abu Jama se consideram heróis, certamente não deixaram transparecer. Eles conhecem seu trabalho e sua fé. "Todo mundo tem medo do vírus", disse Mintz. "Nós também somos, mas temos a crença de que tudo está sob o controle de Deus, que Deus seja abençoado. Nós dois acreditamos nisso."


Abu Jama faz eco de seu parceiro. "Acredito que Deus nos ajudará e passaremos por isso. Todos devemos orar a Deus para nos superar e passaremos por esta crise mundial."


Os dois oraram por cerca de 15 minutos. Então voltaram à ambulância. E de volta ao trabalho.


FONTE: CNN BRASIL


6 visualizações